Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Adicionado in Luthier

Luthier Lineu Bravo

Luthier Lineu Bravo

12345
(5,00 de 5 com 1 votos)

violao-nacional.jpg

Lineu conversa com a madeira,
ouve os seus anseios e atende aos seus apelos.
Profundo mestre-de-obras,
por fim confere um espí­rito ao seu engenho.
Seus violões são como catedrais.

Guinga.

Tenho pesquisado bastante e estudado técnica violonística, teoria musical, fí­sica acústica e a arte da lutheria. Nos resultados que obtive até hoje, o que realmente me surpreende é a qualidade de nossos artesãos luthiers assim como questões relacionadas a nosso poder aquisitivo e a falta de apoio dos nossos governantes que permitem a venda de violões estrangeiros de péssima qualidade oriundos da China e Ásia dentre outros, cujo valor não da para cobrir nem mesmo os gastos com uma simples tarracha de um violão artesanal.

Seria possí­vel aprender e executar peças de Bach, Villa Lobos, Barrios dentre outros, de forma efetiva com violões de R$ 200,00 feitos de pinus? “Recebemos vinte violões novos” me disse o inspetor de instrumentos da minha amada escola municipal de música. De qual luthier compraram? perguntei. “Não, são instrumentos importados…” obtive como resposta. Fui conferir e eram de pinus mesmo!

Façam uma visita ao site do Lineu e lembre-se que vilões artesanais valorizam com o tempo, se hoje custa R$3.000,00, daqui dez anos se bem construído e conservado valerá mais que o dobro.

2 Comments

  1. q a musica chega dentro das favelas de todo o pais

  2. Dirijo-me a V. Sa. por se tratar de um renomado e ilustre negociante de instrumentos musicais, além de profundo conhecedor do assunto, para relatar que sou possuidor de um violino trazido da Europa para o Brasil por meu avô, e que veio ter ás minhas mãos após o falecimento do meu pai, a quem também pertenceu, e acredito estar de posse de um instrumento de raro valor.
    A minha desconfiança reside no fato de o professor com quem estudei a época, ter demonstrado enorme interesse em comprá-lo, despertando em mim enorme curiosidade.
    Estando Stradivarius ainda vivo, quem ousaria colocar seu nome numa etiqueta no interior de um violino com os seguintes dizeres:

    Antonius Stradivarius Cremonensis – Faciebat ano 1723. Visto que ele só veio a falecer em 1737, portanto 14 anos após a fabricação do violino que tenho em meu poder e que já conta com 284 anos. Coloco esse instrumento ? sua disposição para exame e possível autenticidade. Espero tenhamos descoberto mais uma obra-prima desse notável fabricante de violinos

    Delphim Pires Filho.