Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Adicionado in Aulas de Violão

Problemas funcionais de um violonista

Problemas funcionais de um violonista

12345
(5,00 de 5 com 1 votos)

Problemas funcionais você sabe o que são?

24_21-wallpapermusiclyon

Um dos principais problemas de qualquer intérprete é ocorrer um distúrbio no funcionamento da técnica durante a execução de um trabalho. A mobilidade vai gradativamente diminuindo até que qualquer ação para efetuar um movimento especí­fico torna-se impossí­vel, parecendo que a musculatura se recusa a fazê-lo.

Listado entre os entraves mais temidos pelo violonistas, a distonia focal pode surgir após um logo período de estudo de obras que esbarram no limite da possibilidade do músico. Os esforços gigantescos para superar as passagens complexas fazem com que o sistema muscular reaja  de modo negativo, criando diversas maneira para não realiza-los. A técnica do instrumentista, então, começa a ser contaminada e o problema é instalado.

Outro obstáculo também muito frequente é a lesão por movimentos repetitivo.

Ela ocorre quando o aprendizado é realizado por muitas horas ininterruptas, sem intervalos para o sistema muscular descansar. Estes problemas são originários de uma técnica mal organizada, além de um aprendizado que não respeita os limites fí­sicos do aluno. Praticar por diversas horas não determina o aprimoramento. Para obter um resultado satisfatório, o tempo de trabalho deve ser o mesmo da concentração – atenção voltada para o objeto de estudo, o dedilhado de ambas as mãos e o sentido musical da obra – e, também, resistência física.

Qualquer sintoma de dor ou cansaço pode indicar que a musculatura  já movimentou em seu limite e, a partir desse momento, é nocivo seguir insistindo. Um conselho muito válido é esperar que esses indí­cios negativos desapareçam e, em seguida, reiniciar o estudo. Algumas atitudes são saudáveis para longevidade do intérprete, como fazer exercí­cios de alongamento antes e depois do aprendizado, ter consciência do relaxamento de dentro para fora, sempre começar o treinamento tranquilo e ser objetivo no trabalho, isto é, saber o resultado que quer atingir.

As obras têm um tempo de “amadurecimento”, conforme sua, complexidade e técnica ou linguagem musical. O aprendizado em etapas renderá um controle maior sobre qualquer peça. Em uma primeira fase, deve-se trabalhar o dedilhado até assimilá-lo totalmente, depois observar o fraseado inteiro. Isso determinará um conhecimento racional da composição. O segundo passo é abandoná-la por um período e , posteriormente, voltar a estudá-la. Dessa maneira, à prática trará um desenvolvimento maior, seja em sua técnica ou linguagem.

A tranquilidade de tocar em público também depende da maneira com que o estudo foi realizado, de sua assimilação e, também, da memorização. E recomendável sempre trabalhar peças que estejam dentro da possibilidade de realização, isto, é, abaixo do limite técnico para, assim, ter espaço de folga para produzir todo o sentido musical. Se a técnica do intérprete for até o ní­vel 8, por exemplo, é preciso tocar aquelas que vão até o 5. Dessa maneira, haverá melhor movimentação mecânica e mais eficaz realização de um fraseado.

Para maiores informações ou Aulas de Violão, acesse o menu ao lado em aulas de violão

ViolãoBrasil

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *